www.gustavoreisleiloes.com.br

Fazendas em MG

04/03/2020
FOTO LOTE DESCRICAO AVALIACAO LANCE INICIAL
001

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

Uma sorte de terras de meia cultura com área de 44,32,49 has, com 21.000 pés de café e 05 cinco casas de colono, situada no lugar denominado Guaripu, município de Campos Gerais – MG., demarcada e confrontando com Antônio Martins, Luiz Carlos Azevedo, Luiz Vinicius Vinhas Tiso, Avelino Pereira do Prado, Lindolfo José Pereira, Maria Luiza Azevedo. hás. Matrícula 11.005 fls.13 – Livro 2 AN.

- R$ 920.616,31
002

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

Uma sorte de terras de meia cultura, com área de 14,03,20 has, situado no lugar denominado Guaripu, município de Campos Gerais/MG, sem benfeitorias, dívidas e confrontado com João Batista Ramos, Luiz Carlos Azevedo, Antônio Ferreira de Brito, Vinicio Brito, João Batista Ramos. Matrícula 11.007 – Livro no 02 Registro de Imóveis da Comarca de Campos Gerais – MG

- R$ 218.789,08
003

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

FAZENDA FAXINA (matrículas 16.548, 6.205, 2.420, 13.865, 437-A, 2.944, 4.228, 13.765, 13.766, 14.467, 920 e 84 do Cartório de Registro de Imóveis de Três Pontas/MG)
Matrícula no 14.467 – Livro no 2 – Registros Gerais – Serviço Registral Imobiliário da Comarca de Três Pontas – MG Uma sorte de terras em Cerrado, com a área de 38, 40, 69 hectares, mais ou menos, possuindo 10,00 hectares de café, situada no lugar denominado “Capão dos Porcos, Córrego das Pedras Mutuca”, deste município, confrontando por dividas certas, antigas e conhecidas e respeitadas com José Albino Miranda, Geraldo Garcia, Tião Carapina e Manoel Jacinto de Abreu Filho. Matrícula no 920 – Livro No 2 – Registros Gerais – Registro de Imóveis – Comarca de Três Pontas – MG Uma sorte de terras com a área de 72,60 hectares, no lugar denominado “Córrego das Pedras e Bananeiras” deste município, com as seguintes divisas e confrontações: “Começa no ribeirão Córrego das Pedras; em divisas com Francisco Correa, até encontrar as divisas de Joaquim Correa Sobrinho, perto da porteira da estrada de rodagem, seguindo por um valinho e cerca de arame, até ao canto da cerca; volve a esquerda, segue com este, descendo por cerca de arame até atravessar a estrada; Daí segue com Antônio Batista Daniel por cerca de arame até ao córrego e divisas de Manoel Jacinto de Abreu Filho, até encontrar uma restinga pequena que fica a 5 braças mais ou menos distante do canto da cerca do café daí, volve a direita, segue com Francisco Miranda de Figueiredo, em linha reta por cerca até uma árvore de Pororoca, desta ainda com este, a esquerda, subindo um pouquinho até outra arvore de pororoca; daí volve a esquerda segue ainda com o mesmo em linha reta até uma arvore de óleo de (ilegível), perto de um curral; volve a direita, subindo por cerca de arame, pela distância de 91 braças, mais ou menos ainda com Francisco M. de Figueiredo, volve a direita, segue com este por cerca de arame até encontrar as divisas de Manoel Jacinto de Abreu Filho seguindo com este por cerca, valo e cerca, atravessando a estrada até o córrego das Pedras e por córrego acima, até ao ponto inicial desta demarcação, nas divisas de Francisco Nicolau. Matrícula no 2.420 – Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG Uma gleba de terras de meia cultura com área de 6,20,50ha, contendo 1,81,50 de café, sita na Fazenda Faxina Velha ou Mina D’água deste Munícipio, dentro dos seguintes limites: inicia a beira do córrego em divisas, digo, divisas com José Simião de Brito, depois Maria de Fátima Moreira e Maria Izabel Moreira, até ao final da nascente. Daí, se cerca de arame com José Simião de Brito até ao carreador. Volve a direita pelo carreador 100 metros, quando encontra divisas de Pedro D. Moreira. Volve é direita com este reto até ao ponto de origem. Matrícula no 2.944 - Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG Uma sorte de terras com a área de 14,52 hectares no lugar denominado Córrego das Pedras deste município com as seguintes divisas e confrontações: Começa no canto debaixo do café de Manoel jacinto de Abreu Filho, subindo pelo córrego, até encontrar outro córrego que desce perto das moitas de bambus; volve a esquerda segue com Manoel Jacinto de Abreu Filho, subindo até encontrar a cerca de arame; daí, volve a direita, segue por cerca de arame até encontrar o corregosinho do Lagedo, depois volve a esquerda, subindo margeando esse corregosinho até encontrar o café do Capão redondo, divisas ainda de Manoel Jacinto de Abreu Filho; daí volve a direita segue pelo fundo do café até encontrar de sobe em divisas com Francisco Miranda de Figeurie, digo, Figueiredo por esta cerca abaixo até encontrar as divisas de Manoel Jacinto de Abreu Filho, daí descendo margeando um corregosinho, dividindo com o Manoel Jacinto de Abreu Filho, até encontrar uma cerca que sobe em divisas de Francisco Miranda de Figueiredo depois sobe a direita em divisas de Francisco Miranda de Figueiredo depois sobe a direita em divisas com o mesmo confrontante acima até uma árvore de Pororoca e volvendo a direita para baixo ainda com o mesmo confrontante, até encontrar o fundo do café do comprador onde teve início

 

e finda esta demarcação. Matrícula no 6.205 - Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas- MG Uma sorte de terras de campo, no lugar denominado BANANEIRAS, deste Munícipio, com área de 8,47,00 há., sem benfeitorias, com as seguintes divisas e confrontações: tem principio no córrego, em divisas de José Rodrigues: segue córrego abaixo, confrontando com Raul Eufrosino, até a barra com outro córrego, segue por este córrego acima, confrontando com Sebastião Pedro de Souza, até encontrar as divisas de Ovidio Moreira de; volve a direita, digo, volve a direita, digo a esquerda, segue com cerca de arame, este até uma cova; volve a esquerda, segue por cerca de arame, confrontando com José Rodrigues/ até a cova, a beira do córrego e ponto de partida. Matrícula no 16.548 Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG: Uma sorte de terras de campo, com área de 24,20 hectares, situada no lugar denominado “Morro Grande”, neste Município, dentro das seguintes dividas e confrontações: “Começa no valo, em divisas de Sebastião Ferreira de Brito, segue com este, pelo valo, até cerca de arame; volve a esquerda, segue com o mesmo pela cerca de arame até encontrar as divisas de herdeiros ou sucessores de Manoel Jacinto Abreu Filho, volve a esquerda, segue com estes, acompanhando cerca de arame, até encontrar as divisas de herdeiros ou sucessores de Manoel Jacinto de Abreu Filho, volve um pouco a esquerda, com estes, pela cerca e grota até encontrar as divisas de Manoel de Oliveira Piedade; volve a esquerda, segue com este e com Sebastião Ferreira de Brito, por cerca de arame, até encontrar o valo, divisas de Sebastião Ferreira de Brito e ponto de partida. Matrícula no 13.765 Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG Uma sorte de terras com a área de 26,26 hectares, nos lugares denominados “BANANEIRAS” e “MORRO GRANDE” deste Município, assim discriminados 19,36 hectares, no lugar Bananeiras e 7,26 hectares, no lugar MORRO GRANDE, com as confrontações cercas e conhecidas com David Martins Gomes, José Drogido, José Rodrigues Flavio, Francisco Pedro de Souza, Sebastião Pedro de Souza, João Pedro Martins Moreira, Francisco Miranda de Figueiredo e David Martins Gomes, por cercas de arame e córrego. A gleba mencionada será servida de uma servidão de água que será fornecida pela propriedade de Francisco Miranda de Figueiredo e sua mulher nas condições seguintes: a propriedade acima poderá servir-se da sobra de água que serve a propriedade de David Martins Gomes; na hipótese da dita água não prestar ao uso normal do outorgado, poderá a propriedade ora comprometida, utilizar-se de outra água de nascente também da propriedade de Francisco Miranda de Figueiredo. Para uso referido poderá a propriedade ora vendida efetuar obras de arte na propriedade de Francisco Miranda de Figueiredo, respondendo por esta servidões o Sr. Francisco Miranda de Figueiredo ou seus sucessores a qualquer título. Matrícula no 13.766 Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG Uma sorte de terras com a área de 29,04 hectares, no lugar denominado BANANEIRAS, DESTE MUNÍCIPIO, com as divisas e confrontações seguintes: começa em uma cova a beira do valo, em divisas com Manoel Jacinto de Abreu Filho, desce pelo valo com este, até encontrar o córrego subindo pelo córrego dividindo com João Barbara, até encontrar o fundo do desbarrancado, subindo por este, por cerca de arame até encontrar as divisas de Manoel Jacinto de Abreu Filho, volve a esquerda, segue cp, este por cerca mais ou menos em linha reta, com o mesmo e ponto inicial desta demarcação. FICA RESERVADO A SERVIDÃO REFERENTE a captação de duas polegadas de água potável por meio de uma pequena barragem, bem como, periodicamente fazer a limpeza e reparos na aludida rede d’água, conforme consta da escritura anterior. Matrícula no 14.467 – Livro no 2 – Registros Gerais – Serviço Registral Imobiliário da Comarca de Três Pontas – MG IMÓVEL: Uma sorte de terras em Cerrado, com a área de 38, 40, 69 hectares, mais ou menos, possuindo 10,00 hectares de café, situada no lugar denominado “Capão dos Porcos, Córrego das Pedras Mutuca”, deste município, confrontando por

 

dividas certas, antigas e conhecidas e respeitadas com José Albino Miranda, Geraldo Garcia, Tião Carapina e Manoel Jacinto de Abreu Filho. Matrícula no 4.228 Livro no 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG Uma gleba de terras com a área de 20,58,00 há em campo, com 3.000 pés de café e 1 casa de colono, no lugar denominado “FAXINA VELHA”, deste Munícipio. Matriculada no INCRA sob o no 434 27200183, com as seguintes divisas e confrontações: começa no Ribeirão de Faxina, em divisas e confrontações: começa no Ribeirão da Faxina, em divisas com o comprador Manoel Jacinto de Abreu Filho e Sebastião Correa de Figueiredo, desce pelo ribeirão com, digo com este até a barra de um corregosinho e divisas de José Maximiano; Volve à esquerda, segue com este pelo corregosinho acima até encontrar o valo e as divisas o comprador; segue com este por valo e grota até encontrar as divisas de Sebastião Correa de Figueiredo; volve à esquerda, segue por valo com este, até encontrar as divisas do comprador, volve a esquerda, segue com este pelo grotão até encontrar o Ribeirão da Faxina, divisas do Sebastião Correia de Figueiredo e ponto de partida. EM TEMPO: INCRA no 434 372 002 127. Matrícula no 437-A – Livro no 2 – Registros Gerais – Registro de Imóveis – Comarca de Três Pontas – MG IMÓVEL: Uma sorte de terras com a área de 17,48 hectares situado neste município no lugar denominado Córrego das Pedras confrontando com terras de José Albino de Miranda, ao Norte e Manoel Jacinto de Abreu Filho, ao Sul, Leste e Oeste. Matrícula no 84 – Livro no 02 – Registros Gerais – Serviço Registral Imobiliário da Comarca de Três Pontas – MG IMÓVEL: Uma sorte de terras com a área de 99,22 hectares, no lugar denominado MORRO GRANDE, deste município, com as divisas e confrontações seguinte: Inicia com Manoel Jacinto de Abreu Filho, por córrego acima e grota em divisas com Sebastião Pedro de Souza e João Pedro Martins de Souza, até no espigão da Serra em divisas com Aneite Reis, seguindo espigão acima, até encontrar as divisas de Manoel de Oliveira Piedade, descendo por grota e cerca de arame, até encontrar as divisas de José Justino; com este, por cerca de arame e grota até encontrar as divisas de Manoel Jacinto de Abreu Filho, por divisas certas e conhecidas, com todas as servidões e caminhões existentes.

- R$ 5.233.754,00
004

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

FAZENDA BREJÃO (matrículas 1.022, 7.617 e 8.797 do Cartório de Registro de Imóveis de Três Pontas/MG) – R$3.643.666,12 (três milhões, seiscentos e quarenta e três mil, seiscentos e seis reais e doze centavos)

Matrícula 1.022: Uma sorte de terras com área de 106,49 hectares, no lugar denominado Brejão ou Estiva” deste município com divisas e confrontações seguintes: começa no ribeirão e córrego em divisa com Adilson Reis e Osvaldo Moreira, segue com este pelo córrego acima e vai contornando até encontrar uma grota; vai por esta até as divisas de Sebastião Martins, segue com ele e por ele até começar a cerca, vai as divisas de José Solino de Araújo, volve a esquerda e por cerca de arame e espigão em divisas com Aneite Reis, volve a esquerda, até divisas de José Claudio Reis, vai por vales até o campo a até começar uma cerca; volve à esquerda, segue por ela contornando até o córrego onde estão as divisas de João Pedro Martins; volve a esquerda, segue por córrego até o ribeirão, onde encontramos as divisas Adilson Sousa Reis; volve a esquerda, segue por córrego até o ribeirão onde encontram as divisas de Adilson Sousa Reis; volve a esquerda e vai contornando por ele até o ponto inicial onde teve princípio, digo, princípio e finda essa demarcação.

Matrícula 7617: Uma sorte de terras com a área de 10,20 hectares no lugar denominado SABIÁ, deste município, confrontando por divisas antigas, certas e conhecidas com: Gilson Reis, José Claudio Reis, Augusta Cândida e José Coutinho.

Matrícula 8797: Uma sorte de terras com área de 4,84,00 hectares, situada no lugar denominado SABIÁ, neste município, com as seguintes divisas e confrontações: começa em um valo divisas do Espólio de Oswaldo Martins com Antonio Martins Claro, segue pelo valo dividindo com os mesmos até encontrar uma cova, volve a esquerda segue pela cova em divisas de Sebastião Martins Claró até encontrar um córrego divisas de Gilson Ximenes de Abreu desce pelo córrego dividindo com Gilson X de Abreu, até encontrar o valo divisas com Espólio de Oswaldo Martins e com Antonio Martins Claro, onde teve início e finda esta demarcação.

- R$ 1.964.418,38
005

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

Uma sorte de terras de meia cultura com a área de 84,50,00 hectares, no lugar denominado “Faxina” ou “Cava” deste município, com as seguintes benfeitorias: uma casa sede, cinco casas de colonos, 10 KWa de Força da Ermig, 70.000 pés de café e tulha, com as seguintes divisas e confrontações: “Começa no antigo mata-burro, em divisas com Geraldo Carolino; sobe pelo córrego de José Roque, atravessa a estrada Faxina – Taboão, sobe por esse córrego em divisas com Ovidio Moreira e filhos e Dr. José Aloisio de Brito, até encontrar divisas com Sebastião Corrêa de Figueiredo, volve a esquerda em divisas com Dr. José Aloisio de Brito por um carreador, até encontrar as divisas de Oivio Moreira e filhos, segue por carreador a direita, até encontrar um valo em divisas com Sebastião Correa de Figueiredo, segue por um valo e cerca de arame até encontrar divisas de Francisco Galvão de Paula até a estrada da Faxina-Cava, volve a direita pela estrada, em divisas com Francisco Galvão de Paula e Dr. Roberto Montenegro, desce pelo carreador e cerca de arame em divisas com Galvão de Paula, até encontrar a estrada da Faxina e Taboão volve a direita por cerca de arame em divisas com Sebastião Moreira, até encontrar o antigo mata-burro, no córrego de José Roque, onde teve início e finda esta demarcação. INCRA nº 434.272.008.630. Matrícula nº 6.778 – Livro 2 – Registros Gerais – Registro de Imóveis – Comarca de Três Pontas – MG.

- R$ 1.624.613,00
006

OBSERVAÇÃO: Caso Frutífero o leilão, a arrematação ficará suspensa até a resolução da impugnação - Conforme decisão nos autos de nº 0130868-43.2012.8.26.0100

FAZENDA LAGINHA - (matrículas 14.047 e 11.034 do Cartório de Registro de Imóveis de Três Pontas/MG) Matrícula nº 14.047 Livro nº 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG: Uma sorte de terras, com a área de 29.08.08 hectares, sendo 10,27 hectares em café, possuindo 37 KWA de luz, situada no lugar denominado “Fazenda Laginha”, neste Município, dentro das seguintes divisas e confrontações: “começa no ponto B, à margem do córrego da represa”, junto a uma árvore de açoita-cavalos em divisas com José Itamar Ferreira e Sérgio de Melo Tavares, segue pelo córrego a montante até a confluência de outro córrego, que vem do mato, daí seguindo pelo córrego da esquerda, confrontando com o próprio Gilson José Ximenes Abreu, até o marco M-3, à margem do referido córrego. Deflete à esquerda e segue com rumo magnético de 28º 49, até o ponto A-a, situado no eixo de um carreador interno, sobre um pequeno espigão. Volve à esquerda e segue com rumo magnético de 00°17, NE a distância de 143,50 metros até o eixo de uma estrada vicinal que dá acesso a propriedade do Sr. Emanoel, e daí à direita, segue pelo eixo da referida estrada confrontando-se com o próprio Gilson José Ximenes Abreu, até o nº 7, junto a uma porteira em divisas com Emanoel de Rezende Paiva. Deflete a esquerda e segue com este confrontante, por cerca de arame até encontrar divisas com José Reis e continuando com este, a distância de 87m até o ponto C. Daí à esquerda em linha reta até o ponto D cravado à margem da estrada principal. Deflete à esquerda e segue pelo eixo da referida estrada confrontado-se com Sérgio de Melo Tavares até o ponto A, e daí a direita, segue em linha reta, passando por uma árvore de açoita-cavalos à margem de um brejo até o ponto B, cravado a margem do córrego da sede, origem da presente descrição.. Matrícula nº 11.034 Livro nº 2 – Registros Gerais – Comarca de Três Pontas-MG: O quinhão nº QUATRO, no lugar denominado “FAZENDA LAGINHA”, situado neste município, com área total de 102,60,90 há ( cento e dois hectares, sessenta ares e noventa centiares), sendo 58,42,00 ha em lavouras de café e o restante em pastagens, capoeiras e mato, contendo 05 casas de colonos, dentro dos seguintes limites e confrontações: começa no ponto de nº 07, conforme assinalado em planta anexa cravado com o eixo de uma estrada vicinal, junto com uma porteira em divisas com Emanoel de Resende Paiva. Segue pelo eixo da referida estrada, confrontando – se com o condomínio Luiz Vinicius Vinhas Tiso, até o ponto n º4. Deflete a esquerda e segue a linha reta, pelo interior de uma lavoura de café com rumo magnético de 00º17’SW, por 143,50m até o ponto A e daí, com reflexão a direita, segue com o mesmo confrontante, com rumo magnético de 28º49’SW até a barra do córrego que vem do mato. Deflete a direita e segue pelo referido córrego jusante, ainda confrontando -se com Luis Vinicius Vinhas Tiso, até a confluência de outro córrego junto a um taboal, em divisas com o condomínio José Itamar Ferreira. Deflete a esquerda e segue pelo segundo córrego amontante, a seguir por grota e finalmente por um antigo valo, sempre com o confrontante citado anteriormente, até o ponto nº 53A, cravando no espigão junto a uma estrada que dá acesso ao imóvel, passando pelo lugar denominado “Prazeres”, no canto da divisa com Henriqueta Miranda Carvalho Silva e João Batista Chaves de Miranda. Deflete a esquerda e segue com esse último confrontante por cerca de arame até o ponto nº60 e daí a esquerda, ainda com esse confrontante, segue pelos vestígios de uma antiga cava de estrada até a borda de um mato continuando pela referida cava margeando o mato até encontrar divisas de Emanuel Resende Paiva. Continua ainda pela antiga estrada, com esse último confrontante, até enfrentar e fechar no ponto nº 7, origem da presente descrição. Obs. Em determinado trecho da antiga estrada existe apenas vestígios da mesma. Reservam se os direitos de servidão e caminhos. 

- R$ 1.480.920,75